Conferência Regional UniAméricas reúne mais de 600 dirigentes sindicais em Fortaleza

postado em: Notícias | 0

Nos dias 29 e 30 de Junho, mais de 600 líderes sindicais das Américas da UNI Global Union, representando 24 países e 124 organizações sindicais, se reuniram na cidade de Fortaleza  com um objectivo claro: construir uma agenda ousada, definida no âmbito da atual transição política da América Latina, que canalizou o poder dos trabalhadores para fortalecer a democracia, expandir os direitos humanos e consolidar a justiça social, ambiental e econômica.

 

Marcio Monzane, Secretário Regional da UNI Americas, afirmou: “Na nossa região, não há mais espaço para as democracias sem respeito pelos direitos dos trabalhadores, empregos precários, desigualdade e discriminação. Com o recente aumento dos governos progressistas, os sindicatos devem ter um papel activo, ser ouvidos e ter mais espaço para a participação na sociedade”.

 

Hecto Dáer, Presidente da UNI Americas, afirmou: “Não existem democracias robustas sem sindicatos poderosos, que assumam solidamente a defesa dos direitos dos trabalhadores. O movimento sindical na nossa região esteve sempre na vanguarda da defesa e do reforço da democracia e da paz, inspirando novos direitos coletivos”.

Antecedentes:

 

A região das Américas – e o mundo em geral – entrou num momento difícil devido aos impactos da pandemia, crises laborais, aumento da desigualdade, e os efeitos da guerra nos preços e na produção alimentar. Os trabalhadores têm sido profundamente afetados pelas novas tecnologias, plataformas, reformas da legislação laboral e teletrabalho, resultando numa crescente precariedade laboral e na necessidade de defender direitos e estabelecer novas normas.

 

O cenário político nas Américas está em transição, com o aumento dos movimentos sociais e o regresso dos governos progressistas no México, Chile, Argentina, Honduras, Peru, Bolívia, Colômbia e possivelmente Brasil, enquanto a luta contra os movimentos e políticas de extrema-direita, muitos dos quais podem ser descritos como fascistas, tornar-se cada vez mais forte.

 

Os sindicatos têm sido agente de transformação importante nesta transição, e os trabalhadores têm uma oportunidade histórica de aumentar o seu poder e influência.

 

Durante os trabalhos da conferência, a UNI Americas abordará realizações importantes e propostas futuras nas seguintes áreas:

 

A defesa dos direitos humanos, e o reforço da democracia, para garantir a participação de todos os actores sociais, incluindo os trabalhadores e os seus representantes sindicais.

 

A organização dos trabalhadores, incluindo novos setores, no trabalho e para além dele;

 

Reforço da negociação colectiva e a construção da unidade a nível nacional e internacional.

A construção de alianças com governos progressistas para levantar a voz dos trabalhadores e incluir os interesses dos trabalhadores nos processos de mudança. Por exemplo, estes incluem a redução da pobreza e da desigualdade, e o combate ao racismo e outras formas de discriminação.

 

A UNI Americas está sediada em Montevideo, Uruguai; ela é o braço regional da UNI Global Union sediada na Suíça, que representa 20 milhões de trabalhadores em todo o mundo nos setores financeiro, de midia e entretenimento, desporto, cuidados, limpeza, segurança, comércio, casinos, correios, impressão e embalagem, e telecomunicações.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

6 + 1 =