EMPREGO FORMAL
Abril supera expectativas e registra criação de 240.033 postos de trabalho no mês

postado em: Trabalho | 0

O acumulando no ano foi o melhor desde 2011 e registra saldo de 958.425 postos de trabalho gerados no quadrimestre. Considerando os últimos 12 meses, são 1.701.950 postos formais gerados

O saldo de empregos formais em abril, divulgados nesta quarta-feira (29) pelo Ministério do Trabalho e Emprego, alcançou 240.033 postos de trabalho gerados no mês. O saldo é o melhor para o mês, desde 2013, e supera abril de 2023, quando foram gerados 180.005 postos formais de trabalho. A geração foi positiva em todos os grandes grupamentos de atividades econômicas: serviços (+138.309), indústria (+35.990), construção (+31.893), comércio (+27.272) e agropecuária (+6.576).

Com isso, o estoque total recuperado para o Caged no mês foi de 46.475.700 postos de trabalho formais, acumulando no ano um saldo de 958.425 postos de trabalho, o melhor desde 2010, positivo nos 5 grandes grupamentos econômicos e em 26 das 27 Unidades da Federação. Se consideramos os últimos 12 meses, a geração alcança 1.701.950 postos formais, 239.849 a mais do que o saldo gerado no ano de 2023.

Luiz Marinho destacou a importância dos dados, que mostram um crescimento da economia que reflete na geração de postos de trabalho. “Foram mais de 240 mil no mês e quase 1 milhão no quadrimestre, que foi o melhor dos últimos 13 anos. Isso mostra que teremos uma boa geração de empregos no ano”, avaliou.

Para o ministro, os dados mostram que é preciso seguir no processo de crescimento e sustentabilidade da economia e que o Banco Central precisa seguir na linha de redução de juros. “É um alerta para o Banco Central pensar na necessidade de continuidade de redução das taxas de juros, que hoje ainda é uma das maiores do mundo”, ressaltou o ministro na coletiva de divulgação dos dados.

Segundo o ministro, a tragédia que ocorre no Sul do país deve impactar nos dados de maio e junho do RS, porém, o governo vem atuando com medidas para amenizar os efeitos da catástrofe, que tem afetado a economia e a vida das pessoas no Estado sulista. “Primeiro precisamos salvar vidas e depois recuperar a situação da economia, das pessoas e das empresas”, salientou.

O maior crescimento do emprego formal ocorreu no setor de Serviços, com um saldo de 138.309 postos de trabalho, um crescimento de 0,6%, com destaque para os serviços de informação, comunicação e atividades financeiras, imobiliárias, profissionais e administrativas (+61.096) e de administração pública, defesa, seguridade social, educação, saúde humana e serviços sociais (+40.127)

A Indústria, com 35.990 postos criados (+0,41%), foi o segundo melhor gerador de empregos no mês, com destaque para a fabricação de coque, derivados do petróleo e biocombustíveis (+4.943), a fabricação de veículos automotores, reboques e carrocerias (+3.647) e a fabricação de produtos de borracha e de material plástico (+3.051).

Em seguida veio a Construção Civil, com geração de 31.893 postos (+1,12%); o Comércio, que gerou 27.272 postos de trabalho (+0,27%); e a Agropecuária, que registrou saldo positivo de 6.576 postos formais (+0,36%), destaque para o cultivo de café (+6.308), especialmente no Espírito Santo (+2.541) e Minas Gerais (+2.038) e o cultivo de Laranja (+4.644), especialmente em São Paulo (+3.733).

Entre os estados o maior saldo foi registrado em São Paulo, com geração de 76.299 postos (+0,54%); seguido de Minas Gerais, que gerou 25.868 postos (+0,53%); e Paraná, com 18.032 postos gerados (+0,57%) no mês.

Dados do ano – Nos 958.425 postos de trabalho gerados no ano, o maior crescimento ocorreu no setor de Serviços, com saldo de 556.607 postos formais (58,1% do saldo). O destaque ficou para atividades de administração pública, defesa, seguridade social, educação, saúde humana e serviços sociais (+219.686) e para as atividades de Informação, comunicação e atividades financeiras, imobiliárias, profissionais e administrativas (+202.820).

A Indústria veio em seguida, com saldo de 191.358 postos, com destaque para a fabricação de veículos automotores (+17.250) e fabricação de produtos de borracha e de material plástico (+15.843). A Construção gerou +141.428 postos formais de trabalho, o Comércio, que segue tendo boa recuperação, gerou 42.936 postos de trabalho. A Agropecuária também positiva, apresentou saldo de 26.097 postos de trabalho, com destaques para o cultivo de café (+7.928), de maçã (+3.568) e produção de sementes (+3.335).

Entre os estados, o maior saldo foi registrado em São Paulo, 287.968 (2,1%), Minas Gerais, com geração de 113.971 postos (2,4%), e Paraná, que gerou 87.838 postos formais no ano (2,8%). As Unidades que apresentaram menor geração foram Alagoas (-13.182), Paraíba (+1.321) e Sergipe (+2.354).

Salários – O salário médio real de admissão em abril foi de R$2.126,16, um crescimento de R$36,96 (+1,8%) em comparação com o valor de março (R$2.089,20). Já em comparação com o mesmo mês do ano anterior, o que desconta mudanças decorrentes da sazonalidade do mês, o ganho real foi de R$45,43 (+2,2%).

Por: Edvaldo Santos/Aescom

Trabalho e Emprego
FONTE: https://www.gov.br/trabalho-e-emprego/pt-br/noticias-e-conteudo/2024/Maio/abril-supera-expectativas-e-registra-criacao-de-240-033-postos-de-trabalho-no-mes

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

15 − 12 =