Propostas da reforma trabalhista são questionadas pelo setor privado

postado em: Notícias | 0

Algumas das propostas da reforma trabalhista —tanto do texto original quanto do substitutivo— têm gerado insatisfação em parte do setor privado, segundo entidades empresariais e advogados.

 

É esse o caso da criação da figura do representante de trabalhadores desvinculado do sindicato da categoria.

 

“Há receio de que as comissões se transformem em novos sindicatos e de que as negociações se dividam em várias frentes”, diz Antônio Carlos Frugis, sócio do Demarest.

 

A medida multiplicaria os funcionários com estabilidade, o que afeta principalmente empresas com abrangência nacional, como os bancos.

 

“Uma das interpretações do texto exige que haja representantes em cada agência —um exagero”, afirma o diretor-presidente da CNF (confederação de instituições financeiras), José Ricardo Alves.

 

Um dos principais pleitos, a prevalência de acordos sobre a legislação, também gerou críticas, pois o projeto restringe a aplicação da regra a apenas alguns temas.

 

“A prevalência dos acordos é prevista na Constituição sem restrições. A reforma deveria reforçar a norma, mas acaba por limitá-la”, avalia Frugis.

 

Além disso, o texto que especifica a aplicação da regra é genérico, o que gera insegurança, segundo Dario Raby, sócio do Mattos Filho.

 

Outro temor é que, sem a reforma sindical, haja confusão na hora de negociar, diz Thiago Teno, do Pinheiro Neto.

 

“Há mais de 15 mil sindicatos. Tem empresas que podem ser representadas por mais de um, ou entidades do mesmo setor em áreas próximas.”

 

*

 

Após queda de 19% nos royalties de petróleo em 2016, SP prevê recorde

 

A arrecadação de São Paulo com royalties sobre a exploração de petróleo caiu 19% no ano passado, na comparação com 2015, de acordo com a secretaria estadual de Energia e Mineração.

 

A queda é resultado principalmente da desvalorização do preço do barril, que chegou ao patamar de US$ 30 (cerca de R$ 94 no câmbio atual) no início de 2016.

 

Do R$ 1,4 bilhão arrecadado, cerca de R$ 710 milhões foram destinados ao governo do Estado. Outros R$ 760 milhões foram distribuídos entre prefeituras.

 

Mesmo com a redução anual e sem projetos que aumentem significativamente a produção em 2017, as projeções são otimistas, diz Dirceu Abrahão, subsecretário da área na secretaria paulista.

 

“Mantidas as condições atuais, principalmente o preço do petróleo, é provável que ocorra um recorde de arrecadação”, afirma.

 

“Embora não chegue perto do que vimos em 2011, quando estava pouco abaixo dos US$ 130, o barril hoje custa quase o dobro do começo de 2016. O crescimento percentual foi muito relevante.”

 

 

 

*

 

Da tela para a grelha

 

A rede de lanchonetes Bob’s investirá R$ 75 milhões dos próprios recursos para acelerar a remodelagem de suas lojas neste ano.

 

Um dos objetivos é permitir que mais unidades aceitem pedidos feitos em terminais de autoatendimento ou pelo aplicativo, sem a ajuda de um funcionário.

 

Uma parte do aporte será destinada aos cerca de 60 restaurantes próprios do grupo.

 

Outra fração do investimento será usada para dar suporte aos franqueados e para publicidade, segundo Marcello Farrel, diretor-geral da companhia.

 

“Notamos um crescimento de 50% nas vendas dos restaurantes convertidos para o novo modelo, que estará em metade das lojas até o fim deste ano”, afirma.

 

A empresa prevê que cem unidades sejam abertas até dezembro de 2017. As próximas inaugurações estão programadas para São Paulo, Amazonas e Goiás.

 

R$ 1,3 BILHÃO

foi o faturamento aproximado do Bob’s no ano passado

 

1.100

são as unidades no país

 

Abril em Mercado Aberto

 

1 de 24   

Marcos Michael – 30.mai.2011/Folhapress

AnteriorPróxima

 

 

*

 

A fenda

 

O salário inicial de homens com nível superior completo foi 1,26% menor no primeiro trimestre de 2017 que no ano passado, segundo o Ministério do Trabalho.

 

Esse é o único perfil de profissional que teve queda de remuneração inicial.

 

Aproximaram-se os valores de contratação dos gêneros, o que é resultado de escolaridade maior de mulheres, afirma Clara Linhares, da Fundação Dom Cabral.

 

No geral, há engessamento da oferta salário, diz Fernando de Holanda Barbosa Filho, do FGV/Ibre. “O empregador não consegue reduzir o valor, que deveria cair com disputa maior por vagas.”

 

 

 

*

 

Incertezas Um terço dos americanos diz conhecer bem as regras de impostos do seu país, aponta a Ipsos. A maioria (86%) afirma que as leis tributárias são complicadas.

 

Não é… A Frente Nacional de Prefeitos assinará nesta terça (25), junto com entidades, um protocolo com medidas a serem adotadas contra a venda de produtos piratas.

 

…legal Algumas das ações listadas são a capacitação de guardas municipais para combater o contrabando e o fechamento de estabelecimentos que vendem itens ilegais.

 

Jalecos Dos 144 eventos agendados para o Rio até 2024, 55 são relacionados a medicina, segundo o Rio Convention & Visitors Bureau. O público estimado é de 132 mil pessoas.

 

*

 

Fonte: Folha de São Paulo

Reportagem completa: http://www1.folha.uol.com.br/colunas/mercadoaberto/2017/04/1878246-propostas-da-reforma-trabalhista-sao-questionadas-pelo-setor-privado.shtml 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

14 − 3 =