“Os trabalhadores foram flexíveis”, mas nem sempre “reconhecidos no que é mais importante”

postado em: Notícias | 0

Em poucas semanas, em Março, o país mudou radicalmente. Com o estado de emergência, uma parte das pessoas fechou-se em casa. Mas nem todas. Como cuidámos de trabalhadores essenciais como as pessoas que fazem a limpeza de hospitais e serviços que continuaram a funcionar durante a pandemia? Será que finalmente reconhecemos o valor destes trabalhos tão importantes que não podem parar?

Neste P24, colocamos a pergunta a Vivalda Silva, dirigente do STAD – Sindicato dos Trabalhadores de Serviços de Portaria, Vigilância, Limpeza, Domésticas e Actividades Diversas.

 

Aline Flor 30 de Julho de 2020, 5:32

 

Descubra outros programas em www.publico.pt/podcasts.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

quatro × 3 =